Imprimir

       As buzinas a gás são aquelas latinhas de metal com uma corneta em cima, inicialmente utilizadas como instrumento de sonorização de barcos, mas que se popularizaram em estádios de futebol, bailes de formatura e no carnaval.

       Porém o gás propano, usado na buzina, vem sendo utilizado por jovens como lança perfume ou "loló". Eles acionam a buzina com a corneta voltada para o nariz ou boca, os efeitos relatados pelos usuários é igual aos das drogas mencionadas.    

        Segundo o Ceatox, Centro de Toxicologia do Hospital de Base, referência na região de Rio Preto, o gás desta buzina é perigoso e chega a entrar no organismo a -20°C e queima o sistema respiratório. A buzina é feita de gás composto de butano e propano, derivado do petróleo. Ele é encontrado também no isqueiro, geladeira, ar-condicionado. "No organismo, pode causar náuseas, vômitos, no sistema nervoso pode causar alucinação, euforia, desmaio, convulsão. Como entra em uma temperatura muito baixa no organismo pode causar edema pulmonar e no coração, pode agir no músculo e pode causar arritmia e infarto", afirma a farmacêutica Gisela Cipullo Moreira.

       No dia 28 de março de 2016, foi noticiada a morte de uma jovem de Rio Preto que teria inalado o gás. Aliás, existem outros relatos de jovens que foram internados em estado grave pelo mesmo motivo.

     Conseguir uma buzina a gás é muito fácil, basta adquiri-la em qualquer casa de festas e até mesmo supermercados. Entretanto, sabe-se que essa buzina pode trazer grandes riscos à saúde. Há outras buzinas e artefatos sonoros que podem substituí-la e que não trazem prejuízos à saúde.

       Com a proibição da comercialização, distribuição e uso das buzinas a gás, evitaremos que nossos jovens arrisquem a vida, inconsequentemente, para obter algum resultado alucinógeno.